quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Programação da VIII Mostra Garatuja de Dança 2015
Dias 12 e 13 de dezembro de 2015.

As 19:00 horas no Cine Teatro Recreio.

DIA 12
1ª Coreografia: Indian Kuchippodi Dance
Categoria: Solo
Modalidade: Dança India
Coreografa: Svetllana Guabaiduillina
Interprete: Janis Goldbard

2ª Coreografia: Soati
Categoria: Conjunto
Modalidade: Jazz contemporâneo
Coreografa: Livia Teodoro
Escola de Dança Adorai

3ª Coreografia: Fragmento do Espetáculo Kenes
Categoria: Duo: Marina Vaz e Caroline Davanso
Modalidade: Tecido acrobático
Coreografa: Regina Maciel, Marina Vaz e Caroline Davanso
Cia. Garatuja de Artes Cênicas

4ª Coreografia: Fragmentos  do Espetáculo Sobre Outras Janelas e Portas
Categoria: Solo
Modalidade: Dança Teatro
Coreografo e Interprete: Jhon Gomes 
Grupo Aguadeiro

5ª Coreografia: Ai Wilson Vai!
Categoria: Conjunto
Modalidade: Dança de Salão
Coreografo: Manoel Paim
Grupo Fênix de Dança de Salão

6ª Coreografia: Jiboia Branca “Fragmento do espetáculo  A Saga de Yo Bá”.
Categoria: Solo
Modalidade: Dança teatro
Coreografo: Regina Maciel
Interprete: Regina Maciel
Cia. Garatuja de Artes Cênicas

7ª Coreografia: Yube Bare
Categoria: Solo com Victoria Huni Kuin
Modalidade: Dança Folclórica
Coreografia: Yube Bare
Interprete: Victoria Huni Kuin

8ª Coreografia: Pivete dança
Categoria: Conjunto
Modalidade: Axé
Coreografo: Josemir Ferreira
Grupo Lambada e Companhia

09ª Coreografia: Príncipe dos Filisteus
Categoria: Conjunto
Modalidade: Sapateado
Coreografo: Livia Teodoro
Escola de Dança Adorai

10ª Coreografia: Hannyah
Categoria: Conjunto
Modalidade: Dança do Ventre
Coreografa: Melissa Abrantes
Estúdio  Melissa Abrantes de Dança do Ventre

11ª Coreografia: Fragmento do Espetáculo Origens
Categoria conjunto
Modalidade: Contemporâneo
Coreografo: Criação Coletiva
Cia. De Artes Cênicas Nós da Casa

12ª Coreografia: Variação Masculina de Ballet
Categoria: Solo
Modalidade: Ballet
Coreografo: John Gomes
Interprete: Wyllian Lima
Programação da VIII Mostra Garatuja de Dança 2015
Dias 12 e 13 de dezembro de 2015.

As 19:00 horas no Cine Teatro Recreio.

DIA 13 

1ª Coreografia:  Dança Coreana K-POP
Categoria:  Trio
Modalidade: Dança Coreana
Coreografa: Helena Catarina
Grupo Kirei Girl’S

2ª Coreografia:  As Borboletas
Categoria:  Infantil
Modalidade:  Ballet Clássico Livre
Coreografo:  Alex Matos
Escola de dança do SESC-ACRE

3ª Coreografia: Indian Temple
Categoria:  Solo
Modalidade: Belyfusion
Coreografa: Janis Goldbard
Interprete:  Janis Goldbard

4ª Coreografia: Montagem
Categoria: Conjunto
Modalidade: Forro
Coreografo: Aleff Lima
Grupo Lambada e Companhia

5ª Coreografia:   Arts
Categoria:  Solo
Modalidade: Contemporâneo Fusion
Coreografa: Maira Mansoa
Interprete: Maíra Mansoa
Companhia Garatuja de Artes Cênicas

6ª Coreografia: Comemoração
Categoria Infantil
Modalidade: Estilo Livre
Coreografo: Alex Matos
Escola de Dança do SESC-ACRE

7ª Coreografia: Enjoy Indian
Categoria solo
Modalidade Dança Indiana
Coreografa Svetllana Gubaidulina
Interprete: Janis Goldebard

 8ª Coreografia: Kinai
Categoria: Solo com Greice Kelem
Modalidade: Contemporâneo
Coreografa: Regina Maciel
Cia. Garatuja de Artes Cênicas

9ª Coreografia: La Mafia Blackton
Categoria: Conjunto
Modalidade Reggaeton
Coreografa: Michelle Bronhara
Grupo Lambada e Companhia

10ª Coreografia:   Bem e o Mal
Categoria: Conjunto
Modalidade: Pop
Coreografo:  Elenilda Herri
Grupo   de Dança Elythe de Plácido de Castro

11ª Coreografia: Mama-mia
Categoria:    Conjunto
Modalidade:      Jazz
Coreografo:  Alex Matos
Escola de Dança do SESC-ACRE

12ª Apresentação Especial do Grupo de Dança  que será selecionado na Mostra de Dança de Plácido de Castro

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Muitos Caminhos para a Dança.

Desejos, estéticas e ditames do tempo. Em 2004 a companhia Garatuja recém chegada do terceiro maior festival de dança do país na época “Dança Ribeirão” sentindo a necessidade de perceber a cena acriana e de entender os estilos e o que acontecia naquele momento com grupos e companhias, criamos a Mostra Garatuja de Dança que gradativamente, mesclou estilos e trilhou um caminho heterodoxo no panorama da dança principalmente em Rio Branco, porem nem todos tem essa compreensão, partindo do principio de que muitos fazedores necessitam estudar mais, compreender o seu fazer para compreender o fazer do outro um olhar de dentro para fora, para isso é necessário desnuda do égo, portanto muitos caminhos a trilhar. A companhia Garatuja mesmo percebendo esses difíceis caminhos e sempre pensando em um coletivo fortalecido, nunca pensamos em desistir de ajudar a fomentar a dança por entendemos que a dança estabelece vínculos e dimensões que só uma alma que dança pode vislumbrar incontáveis caminhos que a dança como ARTE pode nos da. No dia 12 e 13 de dezembro/15 as 19h no Cine Teatro Recreio, muitos grupos, companhias e artistas da dança estão juntos para despertar o conhecimento sensível no espectador para oportunizar a experiência e extasiar-se diante da criação para construir os saberes próprios dessa linguagem, que, com sua força motriz, produz o encantamento próprio da dança. Por Regina Maciel, Diretora da Cia. Garatuja.

domingo, 15 de novembro de 2015

Ficha de Incrição da VIII Mostra

VIII Mostra Garatuja de Dança INSCRIÇÕES 15 de novembro a 04 de dezembro. Inscrição do Grupo Nome do Grupo ou Escola:_________________________________________________________________ Diretor ou Responsável:___________________________________________________________________ Endereço:______________________________________________________________________________ Cidade: __________________________________ UF.: _____ e-mail:____________________________ Cep.: ___________________________ Fone: ( ) Fax: ( ) Data de chegada: ________/_________/_______ Utilizará Alojamento? ( ) Sim ( ) Não Qual o meio de Transporte?_____________________ Data Saída: _______/______/_______ É filiado a Associação de Dança do Acre ( ) Sim ou ( ) Não Já participou de algum encontro do Movimento de Dança em 2015?................................................................ INFORMAÇÕES TÉCNICAS MODALIDADE ( ) Ballet Clássico de Repertório ( ) Ballet Clássico Livre ( ) Dança Moderna / Contemporânea ( ) Jazz ( ) Dança de Rua ( ) Sapateado ( ) Danças Populares (......) Dança Folclórica (......) Dança de Salão CATEGORIA ( ) Infanto-Juvenil (12 a 14 anos) ( ) Juvenil (15 e 16 anos) ( ) Juvenil-Avançado (17 e 18 anos) ( ) Adulto ( ) Solo ( ) Duo ( ) Trio ( ) Grupo Nome da Coreografia: .................................................Nome do Coreógrafo:........................................... Música: .............................................................................................Tempo de duração: ............................... Release: (Explicar do que se trata a coreografia)................................................................................... .................................................................................................................................... .................................................................................................................................... PARTICIPANTES DA COREOGRAFIA em uma lista separada com nome completo e telefone de todos os bailarinos incluindo as fotos 3 por 4 de cada. OBRIGATÓRIA PARA CADA COREOGRAFIA Eu, ................................................................................, portador(a) da Carteira de Identidade nº.......................................................................CPF........................................................ nº......................................................................... Residente na cidade de ............................................UF......................................, libero a apresentação da coreografia .................................................................. de minha autoria para apresentação no I Festival de Dança do Aquiry. Assinatura Coreógrafo: ................................................................................... Assinatura Diretor: .....................................................................................

Regulamento da VIII Mostra Garatuja de Dança

Regulamento VIII MOSTRA GARATUJA DE DANÇA 2015 INSCRIÇÃO: 15 A 04 DE Dezembro 2015. REALIZAÇÃO: 12 E 13 DE DEZEMBRO Horário: 19hs LOCAL:CINE TEATRO RECREIO VIII MOSTRA GARATUJA DE DANÇA, proporciona aos grupos e companhias à oportunidade de apresentarem seus trabalhos à comunidade acreana. Tem como objetivo divulgar novos trabalhos onde se busca maturidade de concepção, coerência da proposta e resolução coreográfica, contendo pesquisa das linguagens utilizadas. Os grupos interessados a participar da VIII Mostra Garatuja de Dança (não competitivo) deverão entrar em contato no blog http://ciagaratujadeartescenicas.blogspot.com/ ciagaratuja@yahoo.com.br Capítulo I – Da Inscrição Para participar da Mostra, os grupos deverão preencher a ficha de inscrição que está no blog. Após o preenchimento de todos os dados solicitados, a ficha deverá ser enviada para “VIII MOSTRA GARATUJA DE DANÇA – Fundação Garibald Brasil no conj Manuel Julião– Rio Branco – AC ” até 04 de dezembro de 2015 em envelope com o seguinte material: a) Ficha de inscrição digitada ou letra de forma, completamente preenchida; por coreografia, com a relação do elenco em ordem alfabética, nome completo dos bailarinos e uma foto 3x4 de cada participante. (Não poderá ocorrer troca de bailarino (a) nos solos, duos, trios, Pas-de-Deux e Grand-Pas-de-Deux). b) Fotos de alguns trabalhos para divulgação de preferência da coreografia inscrita. * O mesmo bailarino poderá participar de outras modalidades desde que isso esteja bem claro na ficha de inscrição para que não haja atropelos, desde que seja do mesmo grupo. * A coreografia inscrita não poderá ser alterada para apresentação no evento. Também não serão aceitas alterações no nome da coreografia, tempo e música. c) Poderão ser inscritas até 03 coreografias por grupo. d) Para cada coreografia o grupo deverá preencher uma ficha com todos os dados e entregar dentro do prazo estipulado. e) Junto com a ficha de inscrição deverá vir 01 CD para cada música (coreografia) executada contendo somente uma música por CD. Os CDS deverão ser etiquetados (inclusive a caixa) com o nome do grupo e coreografia. Quem não cumprir será desclassificado. Essas músicas serão gravadas em programa mídia play em ordem de entrada de cena de acordo com a programação da mostra. f) O tempo limite das obras a serem apresentadas é de 8 minutos por grupo, academia ou escola. A Seleção das inscrições será realizada por um representante da Cia. Garatuja “profº de Dança”, dois representante do Movimento de Dança do Acre . Essa seleção é para observar se algum grupo ou companhia está ou não apto a participar ou se necessita de acompanhamento no sentido de melhorar o trabalho cênico. Não tem caráter reprovatório e sim de observar a qualidade dos trabalhos. ATENÇÃO - Ficha de inscrição com os dados incompletos corre o risco do grupo não participar - Postagem fora do prazo estipulado Capítulo II – Participação a) Para os participantes menores de 15 (Quinze anos) será exigida autorização por escrito dos pais ou responsável. De responsabilidade do grupo. b) O limite de faixa etária para a participação é de 10 anos, menos que isso não poderá participar. c) Grupos não filiados ao Movimento de Dança do Acre só poderão participar com uma coreografia. d) Grupos Filiados mas que não participaram das decisões politicas e dos eventos realizados totalmente pelo MODA ou em parceria com ele só poderão participar com uma coreografia. e) Grupos ativos no Movimento de Dança do Acre poderão participar com até três coreografia. Capítulo III – Inscrições a) Todos os participantes do grupo, inclusive diretor (a), coreógrafo (a), coordenador (a) de camarim, técnico (a) de som e bailarino (a) terão que está com seus devidos crachás com foto 3x4. * O mesmo bailarino poderá participar de outras modalidades desde que isso esteja bem claro na ficha de inscrição para que não haja atropelos, desde que seja do mesmo grupo. a) Poderão ser inscritas até 03 coreografias por grupo de acordo com b) Para cada coreografia o grupo deverá preencher uma ficha com todos os dados e entregar dentro do prazo estipulado. c) Junto com a ficha de seleção deverá enviar um CD com a música. d) O tempo limite das obras a serem apresentadas é de 08 minutos por grupo, academia ou escola. * A inscrição dará direito: 1) 01 (um) crachá de identificação com foto 3x4 por participante independente de acumular mais de uma função. A opção pela função deverá ser feita na ficha de inscrição. A função será diferenciada pela cor do crachá e terá livre acesso nas noites de Mostra. 2) 01 (um) certificado de participação. 4) 02 Flay equivalente a DUAS meio entradas para cada participante, podendo retirar na bilheteria do teatro das 15h as 18h com o crachá da Mostra. Observação: - O uso de crachá durante o evento será de caráter obrigatório. - Não serão emitidas segundas vias de crachá. O participante que não portar seu crachá (seja por perda, roubo ou outros) independente da função, poderá participar do evento mediante a apresentação de RG, porém, para ingressar na platéia do teatro deverá adquirir ingresso na bilheteria do Theatro. a) Haverá taxa de inscrição por grupo de R$ 50,00 reais, essa taxa será utilizada na confecção de crachás e certificados dos grupos participantes. b) Taxa de inscrição individual "Solo" será de R$ 20,00 reais. - A alteração do elenco só será possível para coreografias em conjunto, respeitando a categoria, e poderão ocorrer somente com apresentação de justificativa por escrito, assinada e atestado médico. Duvidas: E-mail: ciagaratuja@yahoo.com.br Blog: http://ciagaratujadeartescenicas.blogspot.com/ Pagina do Facebook! Cia. Garatuja de Artes Cênicas Capítulo IV – Dos Ingressos / Apresentações / Ensaios / Camarins Ingressos * Para o público pagante: ingressos ao valor único de R$ 10,00 (dez reais) respeitando a lei da meia entrada para estudantes munidos de carteira com data de validade observada pelo bilheteiro. * Para participante inscrito: acesso gratuito às apresentações das noites desde que este esteja com seu crachá. * Os não participantes do Festival que desejarem adquirir ingressos para todos os dias, deverão pagar uma taxa de R$ 15,00 (vinte reais), referente ao “passaporte” que dará direito a assistir todas as noites, por pessoa. Apresentações a) Uma Comissão Disciplinar (Formada por um membro de cada grupo) será responsável pela verificação das infrações e aplicação das medidas necessárias inclusive em relação a possíveis desclassificações descritas abaixo: * Não serão permitidos o uso de animais vivos, água, fogo, fumaça, pólvora, ou quaisquer outras substâncias e objetos que possam sujar danificar, ou molhar o linóleo, o palco, atinjam a platéia ou mesmo comprometa a apresentação do grupo seguinte, bem como crianças menores de 10 anos, sob pena de desclassificação. * No dia de sua apresentação, os participantes deverão chegar ao teatro e apresentarem-se aos responsáveis pela organização do evento, impreterivelmente, uma hora de antecedência do início. * A Mostra inicia impreterivelmente às 19h portanto o tempo de tolerância para a chegada dos grupos será de 15 minutos se às 19h15min o grupo que irá se apresentar naquela noite não tiver chegado não será mais permitido a sua participação na noite. Se houver outra coreografia do mesmo grupo na noite seguinte só será permitida a apresentação apenas da coreografia que está na programação. * Entrada para se apresentar é sempre pela porta de trás, não será permitida a entrada de bailarinos pela porta da frente do teatro há não ser após a sua apresentação, antes da apresentação não será possível. * Após a apresentação cada bailarino deverá carimba o crachá para ter acesso à platéia e todas as apresentações da noite. * Não será permitido em hipótese alguma o transito de bailarinos entre a platéia e os camarins ou coxia e camarins principalmente após a sua apresentação. * Não será permitida a entrada e saída pela platéia durante as apresentações, sob pena de desclassificação. * Serão permitidos o uso de elementos cênicos simples e de fácil colocação, que sejam imprescindíveis para a realização da coreografia. Tais elementos deverão ser colocados e retirados do palco pelo próprio grupo, tendo para esta colocação e retirada o tempo máximo de 01 (um) minuto. * O Diretor ou o Técnico de Som e vídeo (somente um terá acesso a Técnica) deverá apresentar-se à cabine se houver alguma observação a ser realizada durante a coreografia como a projeção de imagens e etc... Apresentação na cabine com três coreografias antes da apresentação da coreografia pela qual é responsável e sair logo após (mesmo possuindo outras coreografias). O não cumprimento deste item implicará na desclassificação do trabalho. c) A iluminação de palco será a mesma para todos os grupos: geral branca, geral azul, geral âmbar, foco central, 02 (dois) focos na frente, 02 (dois) focos atrás, diagonal direita e esquerda saindo da frente e torres laterais, 04 corredores brancos, contra vermelho e laranja. Ensaios a) O dia de ensaio: 11 de dezembro das 14hs as 21hs horários dos grupos serão estabelecidos posteriormente pela Comissão Organizadora e grupos participantes em reunião, haverá uma reunião com os diretores de grupos antes da Mostra. b) Cada grupo deverá chegar ao local de ensaio com 30 minutos de antecedência. O grupo que não se apresentar no horário estipulado perderá a oportunidade de ensaiar e dependendo do caso esperará para ensaiar por último. c) Cada grupo terá para ensaiar o tempo da sua coreografia dobrado mais um minuto. Caso a noite de apresentação tenha muitas coreografias e o tempo total delas não comporte os ensaios durante o dia, o tempo de ensaio para cada grupo será definido pela Comissão Organizadora. d) Durante o ensaio de sua coreografia, o grupo deverá comunicar ao responsável pelos ensaios, todo o material cênico que será utilizado na noite da apresentação. e) Não será permitido ensaia no palco do teatro uma três horas antes do inicio da mostra, estando o mesmo livre para os últimos detalhes técnicos. Camarins a) Os camarins serão coletivos e obedecerão a uma planilha de uso, que respeitará a ordem das apresentações no palco, devendo a mesma, ser rigorosamente respeitada, sob pena de desclassificação do grupo responsável pelo uso do camarim e pelo trânsito nas áreas comuns do teatro. b) O grupo deverá se apresentar para a entrada de camarim trinta minutos antes da sua apresentação com os seus devidos crachás. c) Não serão autorizadas as entradas e saídas dos pais nos camarins muito menos usar crachá para ter acesso à platéia. c) Os camarins deverão ser desocupados após as apresentações, dando lugar ao grupo seguinte mesmo que tenha outras coreografias intercaladas na mesma noite. d) A organização não se responsabilizará por objetos deixados nos camarins ou nas dependências do Teatro. e) Os atos de indisciplina dos integrantes do grupo serão registrados pela Organização do Evento e analisados para determinação da penalidade cabível aos mesmos. f) Ao diretor caberá zelar pelo comportamento dos bailarinos de seu grupo ou de sua escola, cuidando para que haja um bom relacionamento com outros grupos Capítulo V – Considerações Finais a) É expressamente proibido filmar e fotografar as apresentações sem autorização previa da organização. O evento será filmado e fotografado com exclusividade por profissionais contratados pela Organização e a impressa falada e escrita. Os interessados deverão entrar em contato com a produção. b) As imagens dos grupos participantes poderão ser utilizadas a critério da Organização para a divulgação do evento quando necessário. c) Ao assinar a ficha de inscrição o participante concorda com todos os itens do regulamento. d) Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Comissão Organizadora da " VIII Mostra Garatuja de Dança" cuja decisão é soberana e irrecorrível. E-mail: ciagaratuja@yahoo.com.br Blog: http://ciagaratujadeartescenicas.blogspot.com/ Telephone: 68 3224-6546 Coordenação Geral: Regina Maciel Produção:Victor Onofre

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

"A dança das quatro bolas"

Os Bailes e forros dos seringais no inicio do século XX com a escassez de mulher dançava homem com homem “ A dança das quatro bolas” era como o povo chamava, nos seringais do Acre, isso durou muitos anos até a chegada das mulheres, quase todas encomendadas pelo patrão. Depois vieram as danças populares como as quadrilhas organizadas pelos nordestinos que tanto contribuíram para formação cultural deste Estado. Fotos do espetáculo Chapurys de Regina Maciel

Danças Indígenas do Acre

MARIRI “ A DANÇA DO POVO INDÍGENA DO ACRE” Assim como a música, cocar e as pinturas são símbolos de identidade e conexão eterna com o criador a dança também faz parte desta identidade. A dança nasce com as culturas indígenas como algo que faz parte do seu ser do seu espirito “yuxibu”, do seu cotidiano, de todas as suas festas. No Acre temos entre 16 a 20 povos indígenas distribuídos em dois troncos linguísticos, falo entre, por que de uns anos para cá, novos povos foram descobertos e estão em processo de estudos. Vou descrever um pouco da dança do povo yawanawa, rio Gregório – Acre. O Povo da Queixada, os Yawanawa quando se preparam para as suas festas se vestem com os desenhos dos kenes mirados no ritual do huni, bebida sagrada, são feitos com a tinta do genipapo, fruta da floresta, tinta extraída de maneira ritualística, as mulheres pintam um dia antes, no dia seguinte os kenes estão fixos ai é o momento de utilizar a tinta do urucum de tom vermelho, passam em todo o corpo, põem a saia de envira de vixu, os cocares maity com penas coloridas, cada mayti tem um significado o cacique usa um mayti de pena de Gavião real a maior ave da Amazônia, assim estão prontos para a grande festa. As músicas são diversas com letras e sons diferentes, em roda no meio de um grande terreiro as vozes ecoam na floresta a dentro, os pés descalços batem na terra, pé direito na frente e o esquerdo quase que arrasta no chão, o mariri é mais que uma dança é um ritual, onde os dançarinos bêbados de huni ou caiçuma dependendo do sentido da festa os mais velho são responsáveis em corrigir se realmente o som da voz está saindo certo os passos do mariri. São também observados os pisados das danças das mulheres, os balançados dos homens, a formação de cada entorno do shawe. As músicas e as danças são repetidas diversas vezes pelos cantores até os mais jovens aprenderem. O ritmo do mariri depende muito da musica cantada, Durante a festa, existem as músicas que falam dos animais da floresta, seu movimento, sua convivência, suas características, suas brincadeiras, sua voz, seus gritos e seus passos. Quando se canta essas músicas, geralmente a festa fica com força e todos com muita vontade de cantar e dançar. A referência está nos animais como garça, veado, onça, queixada, paca, macaco preto, guariba, sôim, anta, macaco-prego, cutia e o porquinho. A música traz mais dinamismo a quem está dançando. Música da água e do fogo Quando a festa está bem animada e todos estão com bastante calor inicia-se a música chamando a água. Alguém do grupo pega uma boa quantidade de água e sai jogando em cima de quem está dançando. Em seguida, quem está dançando começa a chamar o fogo, as mulheres se juntam, ascendem montões de palha e saem levando perto de quem está dançando. Quando os homens começam a insultar as mulheres para apagar o fogo, elas começam a queimá-los em suas pernas. Em uma noite de mariri junta-se tudo, todas as brincadeiras viram dança, tudo é dança, tudo é cena, tudo é dramaturgia e é vida real. Por: Regina Maciel Atriz, bailarina e pesquisadora. Fotos: Edicley Araujo  Não permitido a utilização do texto e das fotos sem autorização dos autores!

Danças antigas no Acre

Marcha Desfeiteira (A Desfeiteira é uma dança que tem origem na vila de Alter-do-Chão, paraíso ecológico localizado a cerca de 30 quilômetros do município de Santarém (PA), na Região do Baixo Amazonas. Pela proximidade com o Estado do Amazonas, lá também a Desfeiteira acabou se integrando à cultura popular local. Mas é na festa do Çairé, em Santarém (no mês de setembro), que se pode ver com mais freqüência essa manifestação folclórica, ainda nos dias atuais. A dança recebe o acompanhamento musical com instrumentos percussivos de pau e corda, além do sopro. São usados curimbós, maracás, ganzáz, banjos, cacetes e flautas. Os casais de dançarinos se posicionam em duas colunas de pares. Em geral, as mulheres se posicionam à direita dos homens. A dança começa com os homens com o braço esquerdo voltado para as costas. A mão direita dos homens segura a mão esquerda das damas, que usam as saias para acompanhar os movimentos do companheiro.) Essa dança era muito comum nos bailes de seringais na região do Purus e Juruá do inicio do seculo 20 a década de 80, ainda hoje existem varias pessoas que ainda sabem dançar a desfeiteira, ´dança em pares e com intervalos para o par escolhido dizer seu verso, é uma dança muito divertida e tensa porque nem sempre as pessoas sabem dizer o verso, isso nos dias de hoje essa dança foi dançada recentemente no Baile do Seringueiro em agosto de 2014 na Tentamen promovido pela Rede Banzeiro, com a presença dos Baques do Acre. No Acre os instrumentos usados na desfeiteiras são: Percussão com tambores de látex, colher, Espanta cão ou Cavalo do Diabo, sanfono e violão. . As informações que incluídas aqui provém de tradição oral de idosos residentes no município de Rio Branco, que vivenciaram a DESFEITEIRA durante sua juventude até a década de 80. Fontes: Antonio José da Silva, 1941 (Antonio Pedro): Conheceu esta arte ainda criança, com seu pai Antonio José da Silva, Rio Grandense que se se tornou seringueiro no Acre. Mesmo sendo uma dança que acompanha música instrumental, seu pai compôs uma linda canção utilizada para abrir a brincadeira, que resume bem seu espírito de improviso e ludicidade: Quem tem toca flauta, quem não tem toca taboca,Quem tem namorada dança, quem não tem olha da porta” No seringais do município de Feijó, a desfeiteira era considerada, segundo seu dizer “era uma dança da sociedade”, ou seja, promovida muitas vezes pelos patrões, numa sociedade onde também aconteciam outros eventos culturais em contextos mais reservados entre os trabalhadores. Baques de marchas Ritmo binário de provável origem nordestina, mas com sotaque indígena. Em algumas variantes, fica evidente a sobreposição dos ritmos tocados pelas etnias do tronco Kampa, em instrumentos semelhantes às caixas do divino. -Baques de sambas Ritmo quaternário com forte tendência indígena. Suas células são idêndicas ao Huayno andino e historicamente tem procedência das aldeias de diversas etnias localizadas no Acre. Antônio Pedro aprendeu a tocá-lo ainda em sua infância no cupixau de um Tuchau da etnica Shanenawá, tronco Pano. Outras etnias Pano, como os Kuntanawa, Huni Kuin e Yawanawá possuem formas ritmicas semelhantes nas canções, e quando tocadas em violão, praticamente idênticas em execução à técnica de Antonio Pedro."Segundo Alexandre Anselmo" Pesquisado musical.